• laedpucrio

Desigualdade de oportunidades no ensino superior: um estudo de caso sobre acesso e conclusão na UFFS

Texto elaborado com base na Tese de Doutorado

NIEROTKA, R. L. Desigualdade de oportunidades no ensino superior: um estudo de caso sobre acesso e conclusão na UFFS. 293 f. Tese de Doutorado (Doutorado em Educação). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), Rio de Janeiro, 2021.


A educação superior ocupa um papel importante para a mobilidade e ascensão social dos indivíduos. As mudanças na educação superior brasileira, principalmente no início do século XXI, precisam ser consideradas para melhor compreender a evasão ou a conclusão da graduação, com destaque para a criação de um conjunto de políticas públicas que promoveram a expansão universitária, com ampliação de acesso e permanência, diversificação de estudantes e interiorização da educação superior pública, a exemplo do Programa de Apoio aos Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais (REUNI); Exame Nacional do Ensino Médio (Enem); Sistema de Seleção Unificado (SiSU); Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) e a Lei de Cotas (n. 12.711/2012).


Nessa pesquisa exploramos o fenômeno da desigualdade de oportunidades no ensino superior em uma universidade pública, a Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), criada em 2009, no contexto de expansão e de interiorização do ensino superior público. O principal objetivo foi investigar as relações entre gênero, raça e características socioeconômicas dos estudantes, aspectos institucionais e desempenho acadêmico no acesso e na conclusão de curso.


A pesquisa foi desenhada como um estudo de caso e combinou estratégias qualitativas e quantitativas. Inicialmente analisamos documentos institucionais para compreender algumas especificidades desta IES, em termos de estrutura, suas políticas de ação afirmativa e o perfil dos estudantes. Com o uso de dados quantitativos e longitudinais dos ingressantes pelo Enem, no período de 2010 a 2018, realizamos análises descritivas e inferenciais de características dos estudantes e institucionais e de suas relações com desfechos como evasão e conclusão.


Os principais resultados desta pesquisa evidenciaram que as políticas de acesso e de ação afirmativa implementadas na UFFS, incluindo a Lei de Cotas, contribuem de forma significativa para a redução das desigualdades sociais e raciais. Desde sua criação, a UFFS manteve um perfil discente com mais de 90% de egressos da escola pública, alto percentual de estudantes de origem rural, de trabalhadores e com pais de baixa escolarização e renda. A implementação da Lei de Cotas permitiu o aumento do acesso de estudantes pretos, pardos e indígenas em todas as áreas de conhecimento, inclusive nas mais seletivas, como saúde e engenharias, de modo que a representação desse público ficou mais próxima e até superou a sua representação populacional, conforme cada Estado do campus. Isso revela a importância desta IES no enfrentamento às desigualdades sociais e raciais.


Na dimensão da evasão e da conclusão do curso, os resultados indicam um peso maior dos aspectos institucionais sobre esses dois desfechos: estudantes que frequentam curso integral e os que recebem alguma modalidade de assistência estudantil e/ou participam de atividades extracurriculares ampliam suas chances de permanência e de conclusão do curso.


Outro achado interessante foi o fato de os alunos das áreas rurais apresentarem maiores percentuais na conclusão de curso, o que pode estar relacionado com a interiorização do ensino superior público e a forte vocação agrícola na região da UFFS. Conforme Reche (2018), o fato desta IES ter campi localizados no interior permitiu maior acesso e mobilidade dos estudantes da própria região, sem a necessidade de migrar para outra cidade ou Estado para estudar.


Em termos de gênero e raça, os homens e negros apresentam maiores dificuldades na conclusão de curso. Por fim, o desempenho se mostrou uma questão central na explicação da evasão e da conclusão de curso em associação com características dos estudantes e, principalmente, com o tipo de curso frequentado. A reprovação também se mostrou um fator importante e que afeta a maioria dos ingressantes na UFFS, tanto evadidos quanto concluintes.


A experiência de inclusão social da UFFS apresenta avanços no enfrentamento das desigualdades sociais e raciais no ensino superior e permite a este estudo se somar as contribuições de outros estudos para a avaliação da Lei de Cotas, que vai completar uma década e tem previsão de revisão em 2022. Os resultados dessa pesquisa indicam que é possível continuar abrindo as portas para estudantes das camadas populares, e que, ao trazer as desigualdades para dentro da Universidade, os desafios maiores se colocam no sentido de promover a igualdade de oportunidades na permanência e na conclusão de cursos e também no mercado de trabalho.


Ademais, esse estudo contribuiu para mostrar também situações de mitigação e até de superação da desigualdade de oportunidades, com casos de sucesso entre estudantes das camadas populares no acesso e conclusão do ensino superior público em diferentes áreas de conhecimento.


Postagem de Rosileia Lucia Nierotka

21 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

No ano de 2012, por meio da Lei n. 12.711 – denominada lei de cotas –, foi estabelecida a reserva de vagas em instituições de ensino federais para grupos sociais específicos, em função de critérios so

De acordo com a Constituição Federal de 1988, a Educação Básica é direito de todos e dever do Estado e da família, sendo uma importante ferramenta política e um meio de apresentar e consolidar a democ